O CEO da Microsoft, Satya Nadella, disse hoje durante uma apresentação no Symposium/ITxpo do Gartner, em Orlando (Flórida/EUA), que o Windows foi reprogramado para ter um papel central na Internet das Coisas (IoT). O executivo declarou ver o novo sistema operacional como capaz de gerenciar todos os aspectos da IoT, desde sensores e sistemas mecânicos até aplicações e analíticos que trabalham em sincronia com eles.

Nadella descreveu o Windows 10 como o primeiro passo na direção de uma geração completamente nova do Windows “e não apenas como uma outra versão que vem depois do Windows 8”. Segundo ele, o Windows não está apenas ligados a tablets, smartphones e PCs, mas é também uma plataforma que pode, de fato, “permear um monte de lugares onde a computação de uso geral será importante.”

Os recursos do Windows e seus atributos novos de gestão de dispositivos e segurança, “serão elementos premium daqui para frente”, diz Nadella, especialmente no momento em que usuários estão considerando como manter as coisas da internet funcionando sem serem hackeadas.

Essa foi a primeira aparição de Nadella nessa conferência do Gartner, segundo a empresa. O Symposium/ITxpo tem 8,5 mil participantes, entre eles 3 mil CIOs, segundo o Gartner. A participação na conferência também foi uma oportunidade para os presentes de comparar o novo CEO da Microsoft com o anterior, Steve Ballmer, que participou no passado em várias edições do evento.

A aparição de Satya Nadella no palco da conferência foi antecedida de uma série de perguntas gravadas previamente em vídeo pelos participantes do evento. Uma das perguntas – “Quando vocês vão fazer seus acordos de licenciamento mais simples e fáceis de entender? – arrancou assovios e aplausos da audiência.

Quando a oportunidade apareceu, durante seus 45 minutos de apresentação, Nadella endereçou a resposta, argumentando que a complexidade do licenciamento foi resultante da tentativa da empresa de atender às exigências de “flexibilidade infinita” feitas pelos consumidores. E garantiu que se a Microsoft optasse por um modelo de licenciamento do tipo “tamanho único”, ela receberia mais uma nova enxurrada de reclamações..

“Não tenho dúvidas de que temos de ouvir o feedback dos consumidores e achar um jeito de progredir no nosso modelo de licenciamento”, disse Nadella, afirmando para a platéia que “não existimos se não atendermos a vocês muito bem”.

Nadella mostrou bem sua diferença de estilo sobre Steve Ballmer quando respondeu a uma pergunta de um analista do Gartner sobre “o que aconteceu com o Windows 9?” (rementendo ao fato de que a empresa quebrou um padrão de lançamentos ao saltar do 8 para o 10 no Windows).

Enquanto Ballmer possivelmente responderia a pergunta fazendo um comentário humorístico ou uma piada, Nadella, direto ao ponto, disse simplesmente que o Windows 9 “veio e foi embora”. Mas garantiu adotar um tom final e suficientemente bem-humorado que divertiu a audiência e descartou possíveis novas perguntas sobre o assunto da dupla de analistas Drue Reeves e Merv Adrian, do Gartner.

Nadella aproveitou claramente a presença na confer6encia para “vender” o Windows 10 para a platéia corporativa, principal alvo da companhia no seu movimento de evangelização para convencer os clientes que ainda preferem o Windows 7 a migrar diretamente para o Windows 10.